8 de agosto de 2020

Almoços práticos e portáteis

O nosso almoço portátil, nutritivo e saboroso comido à sombra das árvores do Parque de Monsanto.


Nestes tempos de pandemia e contágios em que não se pode metade das coisas e se tem medo da outra metade, está para mim fora de questão frequentar restaurantes. Foi esta a solução encontrada quando fazemos alguma saída necessária. 



 De pernas para o ar para que os temperos que os temperos que pus no fundo possam inundar toda a salada.
O azeite e vinagre iria estragar a alface e a rúcula por isso só é misturado na hora de comer e assim deste modo.


E pronto, com oregãos, tomilho e sementes de sésamo tostados a dar sabor está uma salada de grão pronta a comer e uma refeição com tudo que precisamos durante umas boas horas.
No final poupamos tempo e dinheiro sabendo o que estamos a comer.


7 de agosto de 2020

Reforma a dois

Agora que finalmente estamos os dois reformados chegou uma pandemia que nos retira a liberdade.
Os projetos de viagens, os passeios e até os os convívios com amigos ficaram adiados. O pior é que não há data, não há prespetiva de tempo para que tudo volte ao normal, isto se algum dia voltar a ficar tudo igual.
Também não há proximidade com a família, nem afetos ou brincadeiras maiores.


Mas com saúde e entendimento entre os dois vamos passando os dias felizes e brincalhões como sempre.
Os passeios pela nossa maravilhosa Serra da Arrábida mantêm-se e lá podemos tirar as "obrigatórias" máscaras e caminhar, trepar, fazer yoga ou merendar.


O Sol da nossa varanda, as plantações que faço na hortinha e as várias tarefas domésticas e lúdicas ocupam o nosso tempo e só precisamos de nos manter saudáveis.

Venha a vacina, venha a cura e venham os passeios.

10 de julho de 2020

Assim vai a horta



Já são 25 os frutos que o tomateiro tem a crescer, aliás 21 porque já apanhei 4. São adocicados e saborosos.
Uma floreira com 20 cm de altura e tão produtiva.
Para cultivar o que quer que seja é sempre preciso muito amor e atenção. É assim que numa horta vertical com 7 canteiros e 6 vasos pequenos consigo ter tomate, morangos (pouccos) acelgas, espinafres, beldroegas, pimentos,louro, alecrim e muitas ervas de cheiro.
Estou à espera que os rabanetes, couve penca e alface semeados ontem comecem a despontar da terra.
Já é um gosto antigo que provavelmente herdei.

Lembro-me que o meu pai fez um canteiro em tijolo com poucos metros de cumprimento onde  conseguia ter muitas coisa cultivadas. Eu era bem pequena e teimosa e lembro-me muito bem do piri-piri do qual tenho uma experiência não muito boa, mexi onde não podia e correu-me mal. Acho que andei dois dias com a boca dormente.

28 de junho de 2020

Em tempo de pandemia

Estamos desde meados de Março a combater uma pandemia mundial.
Isolamo-nos em casa para evitar a propagação do vírus, compras online, saídas só três meses depois e muito raramente. Quando o fazemos é para ver filhos e netos à distância ou para respirar e caminhar na Serra da Arrábida.

Têm sido dias difíceis pela situação, incertezas, notícias e até por medo de contrair a doença.
Não são permitidos contatos físicos, os cafés, bares e restaurantes encerraram e só reabriram à umas semanas e há focos de contagio um pouco pelo país.

Temos a sorte de nos darmos muito bem e de nos sentirmos felizes os dois em casa. Aceitamos a situação e retiramos a parte boa de todas as coisas.

Hoje foi a segunda vez que fomos à serra, já tinha muitas saudades do cheiro, da terra, do mar, de brincar!


Saltei, trepei, rodopiei. Foi uma tarde diferente, a lembrar os tempos normais em que éramos livres e mais felizes.


Chegamos a casa mais leves e com mais energia para continua esta jornada a dois, em tempos de pandemia, saudades e inquietação.

22 de dezembro de 2019

A magia do Natal


A magia do Natal, aquela magia que juntava a família à mesa a saborear todos os pratos tradicionais da época feitos pela avó durante horas entre fogão e forno?
Essa vai ficando a cada ano mais ténue e distante.
O tempo é mais curto, os afazeres são maiores, a avó de hoje já não é a mesma e a cozinha vai ficando mais vazia a cada ano.
Compram-se os doces que foram encomendados com uma semana de antecedência.
Os embrulhos escondidos pela casa dos olhares curiosos dos mais novos já ficam mais à vista porque são escolhidos antecipadamente por quem os vai receber.
A casa já não é tão enfeitada.
Mas a magia que está no amor da família, no gosto de estar perto deles, na confraternização e nos petiscos à roda da mesa mantém-se.
O barulho dos pratos e talheres, o cheiro da tradição, as gargalhadas das crianças e sorrisos dos adultos fazem sempre  Natal.
E no Natal há sempre uma magia que não acaba (espero)!

9 de setembro de 2019

O doce sabor dos netos


Como sabe bem ao fim da tarde ir buscar  uma neta irrequieta e brincalhona, que nos faz atravessar o jardim saltitando de pedrinha em pedrinha.

É bom conversar ingenuamente sobre assuntos triviais e de ocasião. Ouvir as suas gargalhadas misturadas com o som dos pássaros, o cheiro de novas plantas e o calor do sol.
É o regresso à infância dos filhos, é ter tempo para recordar, reviver, apreciar...

Ter mais tempo para aproveitar o convívio dos netos, antes que cresçam à velocidade com que os filhos cresceram (e já cresceram tanto ... )

É bom apreciar as pequenas coisas, mas que são tão importantes e nos ajudam a manter um espírito mais brando e jovem.

É bom ter tempo, tempo para as pequenas grandes coisas da vida!

Sobre alimentação




Sempre me interessei pela alimentação e pelo pode dos alimentos.
Não para fazer pratos saborosos e elaborados, mas pelos benefícios que podemos ter na saúde.
O meu primeiro livro de receitas macrobióticas data de 1986.

Em 2002 tornei-me vegetariana, não só pela saúde, mas também por motivos éticos e ecológicos.
Com a grande divulgação e adesão  deste tema passeia a ter uma maior informação.
Tenho uma panóplia de livros e artigos sobre o "bem comer para bem viver".

Muito do que leio já utilizo na cozinha e no modo de cozinhar, mas há sempre algo a aprender.

O interesse de encontrar nos alimentos o tratamento das doenças e o modo das evitar não é para prolongar a vida até ao infinito, mas preservar a sua qualidade e bem estar.

Para ver: https://asaudeamesa.blogspot.pt/
Coisas simples, coisas minhas...
Alguns dos meus hábitos, das minhas ideias e descobertas