Avançar para o conteúdo principal

Serenidade

Quando atingimos uma fase de grande auto afirmação, estamos fortes e cientes do que queremos para nós e não nos importamos com os comportamentos externos à família, sentimos uma paz enorme.
Ansiedade, medo e insegurança são emoções que nos fazem mal.
Devemos assumir-nos como somos, com todos os defeitos e virtudes que todos temos, mas nunca prejudicando ninguém.
Se estivermos bem connosco, estamos com os outros, estamos bem com o mundo.
E isso é tão bom.
Porque abordo este tema hoje? Porque já passei pelo primeiro estado e agora usufruo do segundo e não há comparação possível entre eles, não há comparação no que sentimos e no que somos.

Não há formula para conseguir esta tranquilidade, mas se se aceitarem como são, forem compreensivos convosco e com os outros e se afastarem (sem conflitos) do que sentem que vos faz mal iniciam um caminho que vos trará serenidade diária
Aceitem-se como são, aceitem os outros como são e retirem-se do que não é importante.
Tentem!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

SER Reikiano

Reiki é um caminho que deve ser seguido em linha recta, numa constante estrada sem obstáculos, mas dificilmente isso se consegue porque todos vivemos algumas situações que abalam o auto-controle.
O Reikiano também as vive mas a sua aprendizagem facilita o retomar rapidamente do caminho escolhido.
Uma das primeiras aprendizagens são "os cinco princípios" que devem reger a nossa vida diária. Não interessa citá-los, escreve-los, publicá-los...interessa interiorizá-los e praticar tudo o que eles ensinam.

Sentimentos como a raiva, o cinismo, o desprezo, a falsidade, a desonestidade ou até a mentira não devem ser alimentados por um reikiano.
Não devem ser alimentados por ninguém porque não trazem alegria ou felicidade e acabam por promover doenças físicas, mas um reikiano deve ser humilde, grato, sincero e honesto para consigo próprio e para com os outros.

Não sou uma pessoa perfeita, longe disso, cometo os meus erros e nem sempre ajo como deveria mas tenho a consciência plena …

A lei da gravidade e a falta de juízo

Pois é!
Levamos a vida a repetir às crianças "cuidado para não caíres", "olha que ainda cais daí" e mais umas quantas expressões idêntica para as proteger dos perigos, mas quando aos 62 anos resolvo voltar a ser uma daquelas crianças endiabradas a coisa corre mal.

A um metro do chão fazer equilíbrio sobre um pau redondo e empoeirado não resulta.
A lei da gravidade tem muita força e o karma é tramado.
Um enorme trambolhão, uma mão em fanicos, costelas e joelhos doridos...

Aprendi alguma coisa? Acho que não porque no próximo desafio já me esqueci deste :)

Observações e constatações

Gosto de observar o comportamento das pessoas, não para criticar, apenas observar!
E que tenho reparado eu?
Reparo nos falsos moralismos, que se andam a espalhar como se de uma epidemia se tratasse.
Onde pára a amizade sincera e o desprendimento? Onde pára a confiança e a gratidão?

Lembro-me que os meus avós, os meus pais, os meus tios, tinham um grupo de amigos de há muitos anos e com quem se perdiam em conversas simples, anedotas, jogos ou simples piadas.

Como era bom para mim, para os meus primos e para toda uma geração de adolescentes estarmos sentados à mesa com os mais velhos, confraternizando. Um simples petisco preparado de improviso por todos e logo começavam as anedotas, os cantares alentejanos (sou alentejana e de ascendência alentejana), os risos e toda a alegria de um grupo de pessoas ao redor de uma mesa, onde o companheirismo e amizade eram reis.

E eu que pensava que muita coisa continuava assim...

Mas parece que não, que agora convivemos com pessoas que achamos serem n…